BJ Penn e a síndrome da aposentadoria

BJ Penn sai da aposentadoria e enfrenta Yair Rodriguez no UFC Fight Night 103 (Foto: Brandon Magnus/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)

O ano de 2017 começa para o UFC com a volta de um ícone do esporte ao octógono, BJ Penn. Hall da Fama do UFC e campeão de duas categorias (leves e meio-médios), ”O Prodígio” esteve afastado por mais de dois anos das lutas e sentiu falta de cair na mão com alguém. E, agora, no UFC Fight Night 103, em Phoenix, Penn vai encarar a promessa mexicana Yair Rodriguez, vencedor do TUF América Latina e que vem se destacando com belas exibições.

Difícil fazer qualquer prognóstico acerca deste embate, pois não sabemos como o veterano de 38 anos voltará técnica e fisicamente falando, desde que foi surrado na surreal trilogia contra Frankie Edgar, em julho de 2014. Aliás, a performance do ex-campeão dos leves e meio-médios foi pavorosa naquela oportunidade. Uma postura de luta bizarra que não ajudou em nada na surra que tomou.

Não espero, honestamente, nada que saia de bom nesse BJ Penn que vinha atuando no UFC nos últimos seis anos. Ou seja, desde seu último triunfo na trilogia contra Matt Hughes em novembro de 2010 (que já estava em fim de carreira) que o prodígio vinha acumulando decepções e tendo desempenhos fracos. Acho o mexicano, mesmo ainda cru para grandes combates e mais preocupado em se exibir do que qualquer outra coisa, apesar de ser um grandes prospectos da organização atualmente, bem favorito a vencer.

Agora, BJ Penn sofre dos mesmos males que outros lutadores veteranos que sofreram para largar o esporte. Sentir a emoção e a adrenalina de lutar tem que estar no sangue mesmo e só assim para uma explicação da volta de uma das lendas do MMA. Vemos ex-campeões voltando pois não queriam largar o osso: Royce Gracie, Fedor Emilianenko, Miro Cro Cop, Brock Lesnar, entre outros.

O havaiano passa por essa síndrome da aposentadoria porque acha que ainda tem o que mostrar ou que vai voltar a velha forma. Com o desempenho nas últimas quatro lutas da carreira (um empate e três derrotas) mais dois anos e meio sem competir profissionalmente, é razoável duvidar que Penn vai mostrar algo novo no octógono. Soa inacreditável ele mesmo dizer que voltou para lutas nos penas para conquistar a terceira cinta em uma divisão diferente.

Por fim, acredito que a aventura do Prodígio no UFC será bem curta e tampouco estou esperançoso de que faça algo diferente contra Rodriguez, jovem em ascensão na carreira, como não pelo menos nos últimos seis anos. Enalteço a coragem e disposição da lenda em voltar a lutar, porém a vida de aposentado estava mais vantajoso para o Hall da Fama.

Abraços!

COMPARTILHAR
Jornalista. Colunista Olimpo MMA.
  • Saulo Henrique

    Tenso essas voltas de aposentados. .mas vamos ver né? Torcer pra não ser outro massacre. .